15 junho 2009

 

O seio da discórdia

Almeida era um alto funcionário da corte do Rei Faiçal.
Há muito tempo, nutria um desejo incontrolável de chupar os voluptuosos seios da Rainha até se fartar.
Um dia, ele revelou seu desejo a Gaio, principal advogado da região e pediu que ele fizesse algo para ajudá-lo.
Gaio, depois de muito pensar e estudar o assunto, concordou sob a condição de Almeida lhe pagar mil moedas de ouro.
Almeida aceitou o acordo, todavia, não formalizado por escrito.

No dia seguinte, Gaio preparou um líquido que causava comichões e derramou-o no soutien da Rainha, enquanto esta tomava banho.
Logo a comichão começou e aumentou de intensidade, deixando o Rei preocupado e a Rainha desesperada.
A corte fazia consultas a médicos, quando Gaio disse que apenas uma saliva especial, se aplicada por quatro horas, curaria o mal.
Gaio também disse que essa saliva só poderia ser encontrada na boca de Almeida.

O Rei Faiçal ficou muito feliz e então chamou Almeida que, pelas quatro horas seguintes, se fartou de gozar, chupando à vontade as suculentas e deliciosas mamas da Rainha.
Lambendo, mordendo, apertando e passando a mão, ele fez finalmente o que sempre desejou.
Satisfeito, encontrou-se no dia seguinte com o advogado Gaio.

Com o seu desejo plenamente realizado e a sua libido satisfeita, Almeida recusou-se a pagar ao advogado.
Almeida sabia que, naturalmente, Gaio nunca poderia contar o facto ao Rei.
Mas Almeida subestimou o advogado.

No dia seguinte, Gaio colocou o mesmo líquido nas cuecas do Rei e ...
... o Rei mandou chamar o Almeida.
Comments:
Lindo... :-)
 
Hehehe! Não se metam com os advogados! :P

Bjinhos
 
Com advogados (e pior ainda com juízes) nunca fiques em falte...
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?